Inovação e eficácia no desenvolvimento do talento na Administração Pública

Inovação e eficácia no desenvolvimento do talento na Administração Pública

A Secretaria-Geral do MAI reinventa a abordagem da qualificação dos RH na Administração Pública.

Sob o lema “Formar para Inovar”, a Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna (SG MAI) tem vindo a revelar como é possível dinamizar e fazer a mudança na Administração Pública portuguesa, com base na inovação e na qualificação dos recursos humanos.

A mudança tem sido, nos últimos anos, uma constante em toda a Administração Pública portuguesa (AP). O caminho é o da modernização e eficácia crescente dos serviços, de forma a garantir o seu objetivo último de servir cada vez melhor o Cidadão.Trata-se de um processo longo e complexo, mas necessário e inevitável.

Como enfrentar este desafio e superá-lo com sucesso? Através do reforço de competências de liderança e gestão, promovendo a inovação no contexto organizacional e criando uma cultura organizacional alicerçada na qualidade e na Satisfação do Cliente. 

Programa MAIS - Formar para Inovar.

pecasSabendo que muitas das ações formativas têm tido baixa eficácia, o princípio orientador para a SG MAI foi o de construir uma abordagem inovadora que se traduzisse em resultados concretos para as organizações envolvidas.

Neste sentido a Leadership Business Consulting foi considerada o parceiro ideal neste projeto devido ao posicionamento inovador que tem na área do Desenvolvimento de Recursos Humanos, alinhados com os objetivos de negócio e totalmente orientados ao resultado.Da parceria entre a Leadership Business Consulting e a SG MAI nasceu o Programa MAIS - Formar para Inovar.

O Valor das Metodologias Participativas

A ambição por resultados concretos para as organizações envolvidas ditou a opção pelas metodologias participativas. Tratou-se de um tipo de abordagem que não é comum na AP, neste âmbito de intervenção e, sobretudo, para projetos desta dimensão.A Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna (SG MAI), no âmbito da lógica de implementação de Serviços Partilhados, tem a responsabilidade pela formação de todos os organismos tutelados por este Ministério. Ao objetivo mínimo de organizar um Plano de Formação que incluísse as necessidades formativas destes organismos, a SG MAI adicionou a vontade de construir uma experiência formativa com um elevado nível de eficácia. Por metodologia participativa entenda-se o envolvimento ativo de todas as entidades participantes, em todas as fases de construção e implementação da formação. O objetivo foi o de conseguir a maior adaptação possível da oferta formativa às efetivas necessidades das organizações, fornecendo soluções para a resolução de problemas reais e articuladas com as dinâmicas de funcionamento específicas das organizações.Assim, todos os conteúdos e metodologias de formação utilizados foram discutidos, em várias sessões de trabalho, com os interlocutores de todas as entidades envolvidas, que tiveram oportunidade de transmitir quais as suas verdadeiras problemáticas e o tipo de temas que consideravam de abordagem mais crítica.A par da recolha de contributos para a construção e adaptação dos cursos, foram sendo realizados workshops de progresso orientados para a avaliação das atividades e deteção de oportunidades de melhoria a integrar nas fases seguintes.

Atingir Resultados: Formação - Ação

Para além da adaptação dos conteúdos às reais necessidades das organizações envolvidas, a principal preocupação foi a de potenciar o mais possível a transferência de conhecimentos e sua apropriação por parte dos formandos.

Mas como o conseguir? Várias foram as medidas tomadas e que permitiram alcançar o pretendido.A dinâmica dos cursos intercalava dias de formação presencial com dias em contexto de trabalho, para que os formandos tivessem a possibilidade de aplicar os conceitos apreendidos. Desta forma potenciou-se a apreensão dos conteúdos e a sua aplicação no concreto, o que permitiu potenciar o sucesso dos cursos no imediato e em continuidade.

Foi ainda construída uma plataforma de e-learning específica para este Programa, onde os formandos podiam interagir entre si, aceder a todos os materiais do curso, participar em fóruns sobre as várias temáticas, encontrar novos desafios e ter acesso aos formadores para esclarecimento das suas questões. Esta foi de suma importância no estreitar de relações, na troca de experiências e na elucidação de dúvidas que iam surgindo.Plataforma de e-learning criada para o Programa MAIS.

Programa MAIS: Números e Resultados…

Em termos globais, foram realizadas mais de 50 ações de formação em vários pontos do país, totalizando cerca de 7 000 horas e abrangendo quase 500 colaboradores de organismos tutelados pelo Ministério da Administração Interna.Constatou-se a total satisfação das entidades participantes com a adoção deste tipo de metodologia. Houve uma perceção generalizada de que se aumenta o potencial de impacto, não só no desempenho individual das pessoas, mas sobretudo no desempenho global das organizações.Foram incluídos temas considerados pertinentes para a AP, como a formação em Liderança e Coaching, Trabalho em Equipa, Comunicação e Atendimento ao Cliente, Gestão por Objetivos e Gestão pela Qualidade, entre outros.

Fonte: Leadership Agenda