Quatro lições de liderança por Amit Singh, da Google

Quatro lições de liderança por Amit Singh, da Google

O vice-presidente de business & ops - virtual reality na Google, Amit Singh, partilha as quatro maiores lições de liderança que aprendeu ao longo da sua carreira.

Todos nós aprendemos inúmeras lições nos nossos percursos profissionais – algumas mais significativas que outras. Mas as que são verdadeiramente valiosas permanecem connosco para sempre, ajudando-nos a crescer e a ter sucesso.

Amit Singh refere, numa entrevista ao “The New York Times”, algumas das maiores lições que aprendeu no seu percurso profissional. Antes da gigante tecnológica, o responsável trabalhou durante duas décadas na também americana Oracle, onde foi responsável por várias áreas da multinacional.

1.ª Coaching
A importância de exercer coaching junto dos colaboradores, em vez de fazer o trabalho por eles. Amit Singh diz que, em vez de dar conselhos às pessoas ou de fazer coaching, ele “fazia o trabalho por elas”. Entretanto, “com o passar dos anos, tenho tentado encontrar o equilíbrio entre quando intervir e quando exercer coaching... Muitos funcionários esperam até terem uma revisão formal, e eu sempre senti que o melhor coaching é o que se faz no momento”. Adianta que se trata de “tentar tornar alguém melhor versus criticar por fazer algo. Quando é feito do modo certo, as pessoas adoram, porque estamos a apostar realmente no sucesso delas”.

2.ª Comunicação
Qualquer que seja o tempo que está a despender em comunicação, não é suficiente. “Percebi que se perde muito “na tradução” nos e-mails”, declara o executivo da Google. “Temos de gastar tempo a comunicar o nosso ponto de vista, a estabelecer uma visão para a equipa e a forma como vamos lá chegar. É crucial”. Amit Singh considera que “as pessoas procuram inspiração. O trabalho precisa de ter significado, e querem sentir que fazem parte de algo importante. Para o fazer bem, temos de ser cuidadosos, e temos de comunicar de modo eficaz”.

3.ª Ligação
Não é preciso muito para chegar até às pessoas e ligar-se a elas. O responsável afirma que não importa quão grande é a sua organização, não é assim tão difícil estabelecer uma ligação com os seus colegas. E que tal pode fazer uma diferença enorme”. Na Google “temos uma estrutura muito plana e aberta”. “Qualquer um pode vir ao meu escritório e dizer: ‘olha, quero beber um café contigo’. Lembro-me de me sentir super motivado por um líder que sempre se mostrou tão acessível, mesmo que, no total, só tenha estado cinco minutos comigo”.

4.ª Autoconfiança
Não se pode ser um perito em tudo. “Então, concentra-se o enfoque naquilo que realmente importa, o que obriga a estabelecer prioridades de forma implacável”, refere o vice-presidente de business & ops - virtual reality na Google. “Por vezes só tem de dizer que não vai estar presente numa reunião – o que requer alguma autoconfiança e disciplina”.

Fonte: Business Insider

11-02-2016


Portal da Liderança