Nelson Mandela, prisioneiro n.º 46664, na Ilha Robben, pela luta contra as diferenças sociais

Nelson Mandela, prisioneiro n.º 46664, na Ilha Robben, pela luta contra as diferenças sociais

Há números curiosos e o prisioneiro n.º 46664 tem um desses números, uma capicua. Um número é capicua quando lido da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda representando sempre o mesmo valor.


Nelson Mandela teve e terá sempre o mesmo valor, isto é, gigantesco, quer em liberdade, quer nos 27 anos que permaneceu encarcerado, ou mesmo após a sua morte. O valor do seu legado é enorme mas, mais do que o legado é grandiosidade de um homem que nos ensinou e continua a ensinar que devemos lutar sempre por sociedades livres e iguais, mesmo que o percurso se apresente acidentado.

Desejamos caminhos fáceis e acreditamos que somos pequenos para alcançar grandes feitos, mas Nelson Mandela ensinou-nos que não há caminhos fáceis para a liberdade e que a nossa missão é brilhar.

Ser pequeno, segundo o próprio, não ajuda o mundo. Abraçar uma causa é um exercício diário, e poucos são aqueles que o conseguem. Acredito que, mais que uma escolha do próprio, foi a própria luta pela igualdade social que o escolheu – “O nosso maior medo é que sejamos poderosos além da medida. É a nossa luz, não a nossa escuridão, a que mais nos amedronta.”

Homem de sorriso rasgado, magnânimo e com profundo sentido de justiça, desde de cedo se apercebeu da enorme decalagem entre os direitos dos negros e dos brancos, tornando-se o símbolo de luta anti-apartheid na África do Sul. Nem mesmo na prisão deixou de mobilizar e de influenciar as pessoas numa luta que não se limitou à Africa do Sul.

Descendente do rei Thembu, com uma condição social privilegiada, podia ter feito uma jornada de vida diferente, tranquila e sem agruras. Mas há homens que não se acomodam, cuja longanimidade perante os mais desfavorecidos é o motor das suas vidas. Parafraseando, os verdadeiros líderes devem estar prontos a sacrificar tudo pela liberdade do seu povo.

Os seus ensinamentos de vida são uma fonte de inspiração para todas as gerações:
- Não ter medo de cair.
- A coragem não é ausência de medo.
- A diferença que fizemos nas vidas dos outros é que determinar o significado da vida que levamos.
- Tudo aquilo que fazemos deve ser de forma apaixonada.
- A igualdade social é a única base para a felicidade humana.

Estas são palavras que Nelson Mandela nos deixou e que devem ser guias para nos mantermos livres e, acima de tudo, respeitarmos cada pessoa como ser único e igual nas suas diferenças. A democracia numa fase embrionária tem muitas fragilidades. Não podemos descurar que a barreira entre a liberdade e a ditadura é mais ténue do que parece.

No dia da sua morte, muitos foram aqueles que clamaram que o mundo tinha perdido Nelson Mandela, mas o mundo nunca perderá um homem cuja lição de vida é um exemplo para a humanidade. Nelson Mandela é global e o denominador comum na luta contra as diferenças sociais – “O objetivo da liberdade é criá-la para os outros”.

 


Sandra-CorreiaSandra Correia, colaboradora da Leadership Business Consulting desde 2001, é membro da comissão organizadora do Global Strategic Innovation e do Best Leader Awards. Exerce funções de assistente de direção da Leadership Business Consulting e de gestora do bem-estar e da felicidade da organização.


 [Leia aqui mais artigos]                                                                                [Topo]