Daniel David: Aprendi tudo ao falhar. Costumo dizer que faço um mestrado quando falho

Daniel David: Aprendi tudo ao falhar. Costumo dizer que faço um mestrado quando falho

Daniel David, PCA do Grupo de média moçambicano Soico, promotor da inovadora MozTech, confessa que "Aprendi em Silicon Valley que só inovando é que conquistamos os mercados, a liderança e os clientes" e que "Na minha vida aprendi tudo ao falhar".

Daniel David cedeu esta entrevista no âmbito da sua participação no Programa para Executivos em Silicon Valley, Global Strategic Innovation.

Portal da Liderança (PL): Qual o impacto que a experiência que fez em Silicon Valley traz ao desempenho da sua liderança?

Daniel David (DD): Teve um impacto bastante positivo. Fiquei positivamente surpreendido pela irreverencia e pela própria cultura deste ambiente, muito forte e dinâmico, onde a capacidade de inovação é fundamental para criar diferenciação no desempenho quer das pessoas quer das organizações. Isto é crítico para mim. É fundamental perceber que só inovando é que conquistamos os mercados, a liderança e os clientes. Esta é uma lição que aprendi na minha experiência em Silicon Valley.

PL: Que soluções levou de Silicon Valley para o Grupo Soico?

DD: Aprendi no Valley algo que posso colocar sob três prismas fundamentais e que temos de por em prática na empresa. Trata-se do tripé de apostar nos recursos humanos, no talento, apostar nos processos organizacionais e na tecnologia. Chamar-lhe-ia um tripé de sucesso que aprendi em Silicon Valley e que é preciso valorizar. Em termos concretos, existem aqui soluções técnicas que entendemos serem fundamentais à organização. Das visitas que fizemos à Google, ao Youtube e à Amazon, e cujas tecnologias se enquadram no nosso negócio de média, vamos tentar aprofundar e implementar, algumas delas que já temos mas que vamos tentar aplicar de uma forma mais eficiente e esclarecida. Gostaria também de mencionar as aulas que tivemos quer em Berkeley quer com o Prof. Jonathan Littman, muito relacionadas com a inovação e a estratégia de desenvolvimento empresarial, onde a inovação surge sempre como disruptiva no mercado e que traz o que chamamos de desbalanceamento do mercado. Quem inova cria ruido e gera o desbalanceamento do mercado. É como se fossem vasos comunicantes, que depois necessitam de criar-se um equilíbrio. A Soico veio aprender aqui que temos de ter uma inovação constante, de modo a surpreender o mercado e trazer valor acrescentado aos nossos produtos, aos nossos clientes e a todas as pessoas que trabalham na cadeia de valor produtiva do grupo Soico. 

PL: Qual a impressão geral com que ficou do programa para executivos Global Strategic Innovation que fez em Silicon Valley?

DD: Para mim foi uma primeira experiência. Uma primeira experiência positiva porque mostrou que um processo organizacional que ajudou a enquadrar pessoas que, como eu, vieram pela primeira vez e que, com um programa muito bem estruturado e que englobava preocupações diferenciadas em função dos seus participantes, tentou acomodar a todas com um acompanhamento impactante e relevante para quem vem de longe e que justifica não estar aqui a brincar mas a trabalhar e a colher conhecimento quase constantemente. A minha impressão é muito positiva.

PL: Como vê o falhar?

DD: Na minha vida aprendi tudo ao falhar. Costumo dizer que faço um mestrado quando falho.

 


Daniel-David-Mocambique-EntrevistaDaniel David é PCA do Grupo DHD e do Grupo SOICO, que integra a STV, canal televisivo, a SFM, estação de rádio e O País, jornal diário com uma versão online. Presidente do Conselho de Direção da CCMP- Câmara de Comércio Moçambique Portugal, é membro do Conselho de Administração da TVM e Vice-Presidente da URTNA (União das Rádios e Televisões da África). Criou a SOICO, Ltd - Sociedade Independente de Comunicação, único grupo de média em Moçambique que congrega o canal de televisão, estação de rádio, jornal diário e uma revista. A sua Biografia consta no Livro “Africa Greatest Entrepreneurs”, publicado por Moky Makura. Recebeu vários prémios honoríficos, em reconhecimento do seu espírito empreendedor, onde se destaca o prémio honorífico “Emerging Entrepreneur of the Year Award”, atribuído pela Ernst & Young, em 2007.