Ulisses Correia e Silva: “Em Cabo Verde tem de haver cooperação política"

Watch the video

Ulisses Correia e Silva: “Em Cabo Verde tem de haver cooperação política"

O Portal da Liderança esteve com Ulisses Correia e Silva, presidente da Câmara Municipal da Praia, Cabo Verde, que acaba de anunciar a sua candidatura à presidência do MpD. Este refere que “A relação das pessoas com a Cidade da Praia era de baixa autoestima e de completa desresponsabilização.”

Os desafios de ser presidente da câmara são mais complexos que os de ser ministro ou líder de grupo parlamentar.”

Portal da Liderança (PL): Foi Ministro das Finanças e chefiou a bancada parlamentar. Quais as caraterísticas de liderança fundamentais para se ser um líder bem-sucedido em Cabo Verde?

O mais difícil num processo de liderança é ter o focos."

PL: É Presidente da Câmara da Praia. Quais os principais desafios de liderança que se lhe deparam?

A mudança de comportamentos na vida urbana exige muito trabalho de liderança."

PL: Como gere e motiva a sua equipa?

Deixar as pessoas com campo de liberdade suficidente para produzir."

PL: Em termos capacidades de liderança, o que falta aos líderes de Cabo Verde?

Tem de haver possibilidade e capacidade de fazer a cooperação política."

PL: Para si, o que é o fundamental da liderança? 

Ulisses Correia e Silva (UCS): Criar estímulos e incentivos que façam as diversas partes de um sistema complexo (pessoas, organizações) contribuírem positivamente, através de competição e cooperação, para se atingirem estádios qualitativamente mais avançados e desenvolvidos ou para ultrapassar conjunturas políticas, económicas e sociais muito desfavoráveis.

PL: Qual foi a situação que o fez aprender mais em termos de liderança e o que aprendeu? 

UCS: Presidir a Câmara Municipal da Praia, pelas exigências que a mudança de status quo impõem ao nível de atitudes e comportamentos das pessoas. A relação das pessoas com a Cidade era de baixa autoestima e de completa desresponsabilização. Hoje, fruto dos investimentos realizados e de uma relação baseada na promoção da cidadania, na responsabilização individual e no reconhecimento da necessidade de regras e de exercício de autoridade, aumentou a autoestima e o nível de participação ativa na vida da cidade.

PL: Quais são os três principais desafios que confrontarão os líderes políticos nos próximos 10 anos? 

UCS: 

1) Dar respostas à crise de representatividade e de governação, o que passa pela necessidade de uma maior responsabilização dos eleitos perante os eleitores, dos governos perante os seus cidadãos e um maior controlo social do Poder por parte da sociedade civil. A emergência dos círculos uninominais estará cada vez mais na ordem do dia.

2) Saber conjugar a competição com a cooperação política. Perante conjunturas económicas, financeiras e geopolíticas difíceis, a cooperação política é fundamental para que os interesses conjunturais dos partidos não se sobreponham aos interesses estruturantes do futuro do país, das suas gerações vindouras. É o caso de reformas que exigem maiorias qualificadas, como a revisão da Constituição; reformas para perenizar a sustentabilidade e a competitividade do país, como é o caso do sistema educativo, da justiça, da segurança social, do aparelho da administração pública; e reformas para tornar o país menos vulnerável face a ameaças externas, como o narcotráfico e o terrorismo;

3) Reinventar os partidos políticos, para os tornar um instrumento ao serviço do país e evitar que sejam capturados por interesses corporativos de dirigentes e de militantes, grupos económicos e grupos de pressão.


Reinventar os partidos políticos num contexto de exigência de maior abertura à sociedade, transparência, limitação de poder, maior controlo social e maior necessidade de cooperação política, sem perda da competitividade e produção de alternâncias essenciais à democracia.


PL: Quais são as três qualidades mais importantes para um líder político nos próximos 10 anos? 

UCS: 

uilisses1) Visão estratégica e mobilização para a visão partilhada;

2) Encontrar os cliques para provocar estímulos nos indivíduos, nas famílias e na sociedade, em direção aos interesses da Nação enquanto ideal de empreendedorismo económico, social, cultural, de justiça e de solidariedade social;

3) Saber competir e cooperar a nível político.

PL: Onde mais tendem a falhar os líderes políticos? 

UCS: No uso da demagogia e do populismo, e no egocentrismo.

 


UlissesCorreiaeSilvaUlisses Correia e Silva é licenciado em Organização e Gestão de Empresas pela Universidade Técnica de Lisboa. Já foi Ministro das Finanças entre 1998 e 2001, Líder Parlamentar do MpD entre 2006 e 2008, e desde Maio de 2008 é presidente da Câmara Municipal da Praia. É também presidente da Comissão Executiva da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA).