António Correia e Silva: Os políticos atuais parecem estar a perder força

Watch the video

António Correia e Silva: Os políticos atuais parecem estar a perder força
 

Em entrevista ao Portal da Liderança, o Ministro do Ensino Superior, Ciência e Inovação de Cabo Verde, António Correia e Silva, referiu que "a legitimidade conquistada nas urnas, consagrada até há bem pouco tempo como sendo bastante para o exercício consentido do poder, torna-se nestes dias que vivemos claramente insuficiente".

O líder é aquele que não vê o seu destino nas mãos dos outros mas nas suas próprias mãos.”

Portal da Liderança (PL): É Ministro do Ensino Superior, Ciência e Inovação. O que o define enquanto líder?

 

Associo muito liderança a projetos inovadores."

PL: É Cabo Verde um país historicamente inovador? 

 

A aposta em Cabo Verde como um país independente foi um ato de extrema ousadia.”

PL: Como potencia a inovação no país?

António Correia e Silva (ACS): De muitas formas. Desde logo, pela educação. O espírito de iniciativa, o inconformismo, a criatividade e a inovação são formas de encarar o mundo e a vida. São valores e orientações de conduta. Como tal, são passíveis de serem ensinados em processos educativos escolares. Portanto, o grande desafio é reformatar o sistema de ensino, do pré-escolar ao universitário, de modo a que este possa incutir valores de iniciativa, de autonomia e de criatividade nos estudantes. Nas nossas condições, não é fácil reformatar o sistema de ensino nos valores, naquilo que é o seu software, o seu ADN. Há nele uma forte tendência à inércia, à auto-reprodução. O desafio da escola não é só o de transmitir os valores da inovação e do empreendedorismo, mas também o de fazê-lo de forma empreendedora e inovadora. O repto é fazer do processo de aprendizagem uma experiência ela própria de treino e de exercício destes valores. Falamos de um processo no qual o estudante não absorve de forma passiva e dependente um conjunto de conteúdos mas é, antes, obrigado a buscar, a interpretar e a integrar informações, no qual é incentivado a desenvolver competências de interação social, de cooperação, de reação crítica, etc. A escola pode ser o grande viveiro da inovação. Aliás, não acredito que nenhuma mudança consistente possa ocorrer neste sentido, deixando a escola intacta e à margem. Mas há outros viveiros, digamos assim. A comunicação social possui igualmente um imenso potencial para despoletar a mudança de atitudes. Porém, não convém que sejamos ingénuos nesta matéria. A operacionalização desta pretensão de mudança cultural profunda, que é a institucionalização da cultura de inovação, passa necessariamente pela ativação de um conjunto de mecanismos como o acesso à informação, à orientação, ao crédito, a uma fiscalidade estimulante, entre outras coisas. Potenciar a inovação demanda ações conjugadas, consertadas e persistentes. Enfim, demanda uma política multidimensional. Por mais exigente que tal política seja, urge pô-la em marcha, pois...


... o espírito e a capacidade de inovar são hoje a nova riqueza das nações.


PL:  Foi Reitor da Universidade de Cabo Verde. Quais os desafios que se lhe colocam ao nível da liderança académica em Cabo Verde? 

ACS: Desafios enormes. Em primeiro lugar, fazer com que as autoridades académicas, o Reitor e os integrantes dos órgãos colegiais de gestão, os conselhos científicos, pedagógicos, os conselhos diretivos das unidades orgânicas, tenham um projeto de academia e o persigam. Ou seja, que não governem as academias meramente gerindo rotinas. Por isso, a primeira caraterística de uma universidade empreendedora, o que não quer dizer assemelhar a Universidade à Empresa, é ela ser uma universidade que se auto questiona, que se interroga permanentemente da pertinência da sua oferta formativa, da eficiência e eficácia do seu currículo, da qualidade e relevância da sua agenda científica. O autoquestionamento e o debate interno conduzem a outra dimensão importante da cultura universitária empreendedora que é a auto-avaliação. A liderança universitária esclarecida é aquela que monitora os seus indicadores, toma nota e tira as consequências. Mas é também aquela que mantém um diálogo permanente com a sociedade e não aceita enclausurar-se no conforto das academias. Digo isso porque o diálogo com a sociedade é normalmente tenso, complexo e desafiante. A legitimidade atual das academias depende muito desta capacidade de diálogo com a sociedade. 

PL:  Que caraterísticas de liderança devem hoje ser desenvolvidas no ensino superior, tendo em vista um melhor desempenho dos líderes do amanhã?  

 

Ter competências sociais, ninguém é líder sozinho.”

PL: Quem serão os líderes do futuro em Cabo Verde?  

 

Precisamos de criar uma cultura de liderança.”

PL: Para si, o que é o fundamental da liderança? 

ACS: Capacidade de persuasão e de mobilização daqueles que constituem o meu meio envolvente. Aquele que vive e trabalha “orgulhosamente só”, não é líder, mesmo que seja o mais lúcido e o mais conhecedor de todos. O líder tem sempre que dominar a comunicação, a dinâmica dos afetos e saber “agir com”. É isso que é o fundamental da liderança.


O líder tem sempre que dominar a comunicação, a dinâmica dos afetos e saber “agir com”.


PL: Qual foi a situação que o fez aprender mais em termos de liderança e o que aprendeu? 

ACS: Em termos pessoais, ter integrado a equipa luso-cabo-verdiana que realizou a História Geral de Cabo Verde. Eu era jovem, acabado de sair da universidade, com uma imensa motivação para a investigação, mas despreparado para enfrentar a complexidade das relações humanas à volta da produção de um tipo de conhecimento sensível, num centro de investigação em Portugal, com gente de outra cultura. Enfim, um verdadeiro choque no bom sentido do termo. 

Outra experiência foi ter dirigido a primeira universidade pública do país. O que aprendi de ter participado nestes dois projetos inovadores é que para casar o sonho com a realidade, é preciso, em primeiro lugar, a coragem de ousar, mas, em segundo, ser resistente e persistente. No dia-a-dia, ousar é uma experiência dolorosa. Os dois projetos contavam à-priori com imensas resistências. Ambos deram frutos importantes para a sociedade cabo-verdiana de hoje. Tenho orgulho nesta trajetória. 

PL: Quais são os três principais desafios que confrontarão os líderes políticos nos próximos 10 anos? 

ACS: O primeiro grande desafio dos líderes políticos do nosso tempo é manter a legitimidade das instituições representativas. Não está fácil consegui-lo. A massificação da educação e as novas tecnologias de informação e comunicação, permitindo o desenvolvimento das redes sociais no espaço virtual e as novas formas de interação intracomunitária, parecem estar a romper o antigo equilíbrio entre a componente representativa e a participativa das atuais democracias. A legitimidade conquistada nas urnas, consagrada até há bem pouco tempo como sendo bastante para o exercício consentido do poder, torna-se nestes dias que vivemos claramente insuficiente. Governantes, deputados, autarcas vêem-se hoje constantemente ultrapassados por movimentos de cidadãos, que têm a sua voz ampliada pelos novos média, mas também pelos tradicionais, seduzidos cada vez mais pelas dinâmicas de “base”, sobretudo quando estas questionam as instituições representativas. A questão é conter-nos, como disse um analista político brasileiro recentemente, da tentação de achar que a necessária e a bem-vinda voz da rua, seja a “voz de Deus”. 


É preciso aproximar as instituições representativas dos cidadãos e também fazer o contrário.


O outro desafio é conseguir, nas condições de grande pressão social, conciliar o presente e o futuro, mesmo tratando-se de um futuro próximo. Os políticos atuais parecem estar a perder força suficiente, parecem estar a deixar de beneficiar de graus de confiança necessários para governarem em nome de um projeto de futuro. Para pedirem sacrifícios, para fazerem passar uma estrutura de prioridades que tenha a ver com o médio prazo, é necessário aumentarem a capacidade de persuasão, o que nem sempre se consegue nos períodos de campanha eleitoral, porque estes foram transformados em puro espetáculo de luz e barulho. A comunicação pedagógica e serena, os ctos de prestação de contas e de accountability, os mecanismos de transparência podem gerar confiança para que os cidadãos confiem nos investimentos políticos que eles próprios fizeram em algum momento. O endividamento feito em nome de todos pode ser virtuoso ou não. Pode criar futuro ou delapidá-lo. Os cidadãos nos tempos que correm, querem ver, conferir e sobretudo seguir, seguir de perto. O mandato está a deixar de ser um ato de transferência de poder. A confiança nos representantes políticos e a fé na tecnicidade das organizações internacionais baixou, fruto de desilusões. Mas sem confiança, não há investimento e sem este não há futuro, afinal de contas, a ideia de futuro é o motor da política no nosso tempo. Restaurar a confiança e reinscrever a ideia de futuro, ou as ideias de futuro, é a própria salvação da política.

Como me pediu três desafios, vou ao terceiro: o terceiro é a meu ver, dominar o conhecimento científico e tecnológico, na acepção de lhe dar sentido político e ético. O velho problema de Ciência com Consciência, como definiu Edgar Morin nos anos 80. O potencial do conhecimento genético, da nanotecnologia, da neurologia, é enorme e é preciso para ele um uso virtuoso. As causas da solidariedade, do ambiente, da segurança alimentar, do respeito à diversidade cultural devem dirigir as aplicações da Ciência, convertendo-se em motivações da criação do conhecimento. Só assim salvaremos o planeta e a Humanidade.

PL: Quais são as três qualidades mais importantes para um líder político nos próximos 10 anos? 

ACS: Compromisso ético, um projeto de prosperidade para os seus concidadãos e a capacidade de comunicar e implementar o seu projeto.

PL: Onde mais tendem a falhar os líderes políticos? 

ACS: Na comunicação.


Falhando na comunicação, tudo o resto fica em causa.

 


Antonio-Cooreia-SilvaAntónio Leão de Aguiar Correia e Silva é natural de Praia, ilha de Santiago, Cabo Verde. É Doutor em História Económica e Social Contemporânea, pela Universidade Nova de Lisboa; ex-Doutorando em Estudos Africanos, no Centro de Estudos Africanos do Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), Lisboa; Doutorando em História Económica e Social Contemporânea, na Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais; Mestrado em Desenvolvimento Social e Económico em África", Centro de Estudos Africanos, ISCTE, Lisboa e Licenciatura em Sociologia pela Faculdade das Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Lisboa. Desempenhou as seguintes funções de Reitor da Universidade de Cabo Verde; Presidente da Comissão Nacional para a Instalação da Universidade de Cabo Verde; Diretor da "Revista de Estudos Cabo-verdianos"; Conselheiro Cultural do Presidente da República de Cabo Verde; Membro da equipa luso-cabo-verdiana para a elaboração da História Geral de Cabo Verde; Membro proposto para o Conselho Editorial da UCCLA; Coordenador Científico da revista Cidades da UCCLA; Comissário Científico do Colóquio "História & Identidade. Percursos Arqueológicos da Construção de uma Identidade Nacional Crioula", Praia, 1999; e Chanceler das Ordens Honoríficas.Desempenha hoje funções de Ministro do Ensino Superior, Ciência e Inovação de Cabo Verde.