Alberto Castanho Ribeiro: Vamos digitalizar as oficinas da EMEF

Alberto Castanho Ribeiro: Vamos digitalizar as oficinas da EMEF

A portuguesa EMEF - Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário prepara-se para digitalizar as oficinas, introduzindo assim novas formas de operar, explica o diretor-geral, Alberto Castanho Ribeiro. Em entrevista ao Portal da Liderança, o executivo fala do trabalho que tem vindo a ser realizado internamente para a “alteração da mentalidade de empresa pública tradicional para uma focada na melhoria da qualidade e do serviço ao cliente”. Neste sentido advoga, entre outros aspetos, a necessidade de total transparência no relacionamento com as organizações representativas dos trabalhadores (num total de 1050), e um maior enfoque no aumento da produtividade. Desafio que considera estar “a ser ultrapassado com os resultados que estamos a obter”.

Em 2016 a EMEF registou o terceiro ano consecutivo de resultados positivos, com 3,4 milhões de euros, face aos 1,3 milhões atingidos em 2015 ou os 900 mil em 2014; e o volume de negócios aumentou cerca de 10%, para 63 milhões de euros. O exercício de 2017 marca o regresso aos investimentos, de que é exemplo a criação da oficina de manutenção e reparação de rodados no Parque Oficinal do Centro, no Entroncamento; esta nova unidade, cujas obras vão rondar os 8 milhões de euros, representa “um importante investimento na expansão da capacidade de produção e exportação, dirigindo-se tanto para o mercado ibérico como o europeu”. Fora do território português, a EMEF aposta em “parcerias que nos permitam ser competitivos”, de que é exemplo o acordo firmado com a gigante CRRC - China Railway Rolling Stock Corporation no continente africano. 

Veja a entrevista:


Previsão de investimento em 2017; a formação dos colaboradores da EMEF ou as competências de liderança e gestão necessárias no setor são algumas das questões abordadas nesta parte da entrevista:


O que leva o diretor-geral da EMEF a sair dos carris? Quem Alberto Castanho Ribeiro deixava sem manutenção? Que área da economia portuguesa precisava de uma linha de alta velocidade? "Flash interview":

13-04-2017


Armanda Alexandre/Portal da Liderança


Alberto Castanho Ribeiro é diretor-geral da EMEF - Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário desde março de 2013, ano em que coordenou o processo de criação da Nomad Tech (joint venture entre a unidade de inovação da EMEF e a Nomad Digital), de que é assessor (do conselho de administração). É ainda vice-presidente da ANEME - Associação Nacional das Empresas Metalúrgicas e Eletromecânicas.
Licenciado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico (Lisboa, Portugal), Castanho Ribeiro tem uma pós-graduação em Logística e Distribuição pelo Instituto Superior de Transportes e outra em Gestão da Qualidade Total nos Serviços pela Universitat Politècnica de Catalunya (Barcelona, Espanha).
Iniciou o percurso profissional no setor dos transportes na direção de mercadorias da CP - Comboios de Portugal, onde mais tarde geriu o departamento de tráfego e terminais intermodais. Ainda na CP, viria a ficar responsável pela área de marketing e desenvolvimento da UTML - Unidade de Transporte de Mercadorias e Logística, e foi vice-presidente da unidade de alta velocidade. Em 2006 assumiu a presidência do conselho de administração da CPcom (exploração de espaços comerciais da CP).
Entre 2002 e 2012 ocupou cargos de liderança na RAVE - Rede Ferroviária de Alta Velocidade, na qualidade de diretor técnico e de membro executivo do conselho de administração. Também desempenhou funções enquanto diretor-geral adjunto do AVEP - Agrupamento Europeu de Interesse Económico, Alta Velocidade Espanha-Portugal. De 2005 a 2012 foi membro executivo do conselho de administração da REFER - Rede Ferroviária Nacional; no período de abril de 2011 a setembro de 2012 foi presidente do conselho de administração da Refer Telecom. Integrou, durante dois anos (2006 a 2008), o conselho estratégico do GabLogis - Gabinete para o Desenvolvimento do Sistema Logístico Nacional. Entre outubro de 2012 e maio de 2013 fez parte do conselho de administração do Simef - Agrupamento Complementar de Empresas (EMEF e Siemens), órgão de que assumiu a presidência até junho de 2014.