Jogos Olímpicos – os custos

Jogos Olímpicos – os custos

Acolher os Jogos Olímpicos sai caro – e o preço final pode escalar rapidamente, de acordo com um novo estudo. Os Jogos Olímpicos de Verão custam agora uma média de 5,2 mil milhões de dólares (em valores de 2015), enquanto os de Inverno têm um custo médio de 3,1 mil milhões, revela um paper da Universidade de Oxford e do seu departamento Saïd Business School.

A imagem indica o aparente aumento nos custos de receber os Jogos entre 1960 e 2016. Embora inclua apenas os gastos relacionados com o desporto (sem os associados às infraestruturas urbanas e de transportes), os mais caros destacam-se.

Nos Jogos Olímpicos de Verão, a encarnado, o mais dispendioso é o de Londres em 2012, ao atingir os 15 mil milhões de dólares – quase 10 mil milhões acima da média; e fica muito acima do segundo mais dispendioso, o de Barcelona em 1992, com 9,7 mil milhões.

O título dos mais caros de todos os tempos vai para… os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, em Sochi, na Rússia, por 21,9 mil milhões de dólares. No outro extremo da escala estão os Jogos Olímpicos de Verão de 1964, em Tóquio, no Japão, que custaram 282 milhões de dólares, e os Jogos Olímpicos de Inverno de Innsbruck, na Áustria e no mesmo ano, que se cifraram nuns meros 22 milhões de dólares.

E depois há os que não conseguem cumprir o budget, e se estatelam a todo o comprimento. Entre os Jogos de Grenoble em 1968, na França, e os de Nagano em 1998, no Japão, os orçamentos derraparam, em média, 230%. Percentagem que, com o virar do milénio, diminuiu para 75% – atingindo o valor mínimo de apenas 2% em Pequim em 2008, na China. Mas os Jogos recentes em Londres e em Sochi inverteram esta tendência. Os custos do evento em solo britânico excederam o orçamentado em 76%, enquanto os do russo registaram uma escalada de 289%.

E quanto aos Jogos de Verão de 2016, no Rio de Janeiro, Brasil? O relatório utiliza a projeção mais recente, do primeiro mês deste ano, que aponta para um custo preliminar de 4,6 mil milhões de dólares, com um aumento de 51% em termos reais. Os autores do estudo referem que este evento “parece estar no bom caminho para reverter os elevados gastos de Londres em 2012 e de Sochi em 2014”. Isto porque as projeções são semelhantes à média dos restantes Jogos Olímpicos de Verão.

Fontes: Universidade de Oxford, Saïd Business School, Fórum Económico Mundial

02-08-2016


Portal da Liderança