Qual o país onde os trabalhadores são mais felizes?

Qual o país onde os trabalhadores são mais felizes?

É a Índia, de acordo com o barómetro Edenred-Ipsos, que entrevistou mais de 14 mil pessoas em 15 países sobre o seu bem-estar no local de trabalho. Apesar da tendência para reclamar sobre o trabalho, parece que a maioria das pessoas está feliz com o seu emprego, revela a pesquisa. 

Em média, 71% dos trabalhadores dizem sentir-se positivos sobre o seu trabalho, sendo que os níveis de felicidade variam consideravelmente de país para país: 88% dos trabalhadores indianos entrevistados afirmam sentir-se positivos no que diz respeito ao trabalho, por comparação com apenas 44% dos inquiridos japoneses. Analisando os resultados das 15 nações pesquisadas, verifica-se que os mercados de trabalho das Américas lideram o topo (a seguir ao indiano), e que os países europeus ficam atrás das economias em rápido crescimento. 

Os funcionários estão, em média, mais satisfeitos com aspetos relacionados com o ambiente de trabalho, incluindo equipamento, o equilíbrio entre vida profissional e pessoal, e ter uma ideia clara do que se espera deles. As questões relacionadas com a apreciação/valorização e emoção tiveram uma pontuação mais baixa.

A Índia, o México, o Brasil e o Chile tiveram os resultados mais altos nos aspetos ligados ao bem-estar no trabalho e, especificamente, na satisfação emocional – o que os investigadores definem como gostar de sair para trabalhar pela manhã, ter interesse no emprego e sentir confiança no futuro profissional.

Os países com os resultados mais equilibrados são Espanha, o Reino Unido e os EUA, embora os investigadores refiram que os locais de trabalho nestes países se caracterizam por haver falta de emoção. A Bélgica, a França e a Alemanha também tiveram pontuações equilibradas; no entanto os funcionários relataram uma falta de valorização – por exemplo, no respeito por eles demonstrado pela administração.

No fim da lista está o Japão, onde os trabalhadores relatam níveis de satisfação consideravelmente mais baixos que a média global. No entanto a satisfação com o seu ambiente de trabalho é maior, com os respondentes a afirmarem que têm uma ideia clara do que se espera deles. 

Fontes: Fórum Económico Mundial/Edenred-Ipsos

21-06-2016 


Portal da Liderança